BRASILEIRADIÁSPORA

Agnes Nunes a 100 por hora

Uma prosa sobre o tempo voraz (e delicado) da jovem cantora que já está fazendo história

Agnes Nunes é baiana de nascimento, foi em Feira de Santana que veio ao mundo, mas é da Paraíba, para onde se mudou quando criança, que lhe soa o sotaque, a musicalidade e a beleza.

Viveu em Jericó, no sertão, depois em Campina Grande e agora no mundo. Agnes tem transitado pelo país e costurado importantes parcerias musicais.

Um destaque que a singularizou, desde os primeiros vídeos em suas redes sociais, é a sua relação com a câmera, o seu olhar que atravessa fundo quem a vê com tanta exuberância afrocentrada. Não por outro motivo ela tem recebido muitas mensagens de apoio e agradecimento pelo empoderamento que inspira em outros jovens negros.

Como vem contando, Agnes canta desde os 9 anos e sempre foi autodidata no ramo musical, tendo aprendido a tocar teclado desde os 13 anos de idade, quando ganhou o instrumento de presente da mãe.

Descendente de uma família musical, sua mãe e tia já cantaram, ela apareceu no radar cultural do país em virtude do destaque que alcançou nas redes sociais cantando covers inspirados, românticos e delicados de nomes como Baco Exu do Blues, Francisco, el Hombre e Gal Costa.

Agnes Nunes – Me Desculpa Jay-Z (Baco Exu do Blues).

“Como coloco muito sentimento naquilo que faço, ou é para chorar, ou é para rir. Então as pessoas começaram a se identificar com o momento da vida delas, postaram e compartilharam. Cresceu numa perspectiva que assustou um pouco. Fiquei assustada porque nunca tinha visto tanta gente falando bem do que eu fazia”

 

Assim como acontece em todo trabalho original e verdadeiro, o som de Agnes apareceu já despertando o interesse de muitos artistas, alguns dos quais já ídolos seus.

Foi assim que foi convidada a gravar uma música no novo disco de Chico Cesar, “De peito aberto”, canção feita pelo paraibano sobre empoderamento feminino. O novo álbum de Cesar está prestes a sair do forno.

Além de Chico Cesar, Elba Ramalho também não perdeu tempo e a convidou para dueto gravado no São João de Campina Grande para o seu próximo DVD. Um encontro único de duas personalidades marcantes da música brasileira, uma, de carreira já consolidada, puxando a outra para o palco, como assevera o feminismo negro.

 

Agnes Nunes – 100 por hora (Agnes Nunes).

 

A cantora já lançou algumas músicas profissionalmente, tanto solo, como é o caso de “100 por hora”, música urbana, afrofuturista e deliciosamente preta em suas intenções e percepções da vida.

O clipe é um primor que, em comparação com produções maiores, não deixa nada a desejar. A cantora, ainda menina, aparece com atitude, consciência de si e força poética em locações que remetem a um mundo moderno e de futuros possíveis para o povo preto.

Tanto “100 por hora” quanto “Segredo” foram lançadas pela gravadora Bagua Records, assim como o instigante projeto “Elas por elas” gravado com o artista de hip hop Xamã.

Cantando sobre Cida, Rose, Sônia e Dolores, Agnes e Xamã trabalham a dimensão prática e humana de muitas mulheres reais no mundo em que vivemos.

Do coração de mãe guerreira de Rose (Agnes Nunes/Xamã) às flores no cabelo solto de Dolores (Agnes Nunes/Xamã), as músicas do projeto falam das vidas comuns das mulheres que não falam por sim, mas das quais se fala em cada uma das canções.

 

Agnes Nunes e Xamã – [Elas por elas] Dolores (Agnes Nunes e Xamã).

 

Os clipes do projeto Elas por elas, como o clipe de 100 por hora, tem direção de Dauto Galli, que já trabalhou na tradução visual da arte de nomes como Jaloo e Mayra Andrade.

Os clipes projetam cenários que vão desde as cores quentes e plantas tropicais de “Sônia”, em diálogo com o azul aberto de “Cida”, ao minimalismo e cores sóbrias de “Rose” e “Dolores”.

A estética dos clipes diverge, mas tem em comum a linguagem contemporânea compreendida e compartilhada pela juventude negra aqui e nos demais países que tem revelado novas sonoridades a partir do hip hop e do pop, como os Estados Unidos.

 

Agnes Nunes e Xamã – [Elas por elas] Cida (Agnes Nunes e Xamã)

 

Aclamada sendo tão jovem, sob Agnes paira uma imensa expectativa daquilo que ainda virá.

Tudo o que fez até aqui ressoou potência e promessa de futuro com a cor, a alegria e a dor da mulher negra em nosso país. Aguardamos todas e todos por seu álbum de estreia, mas sem o peso das expectativas paralisantes.

Queremos vê-la a 100 por hora, mas também com todo o autocuidado necessário para a preservação do que é mais importante.

Que a menina do Jericó permaneça em cada passo e em cada novo sucesso da mulher que se constrói na música. Que ela ganhe o mundo, mas que entenda o tempo da delicadeza que a arte exige.

Como disse em certa entrevista a arte é como seu coração e a música o sangue que o seu coração bombeia.

Depois de vê-la e, sobretudo, ouvi-la, não nos restam dúvidas.

 

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Ver mais

Fredson Carneiro

Baiano de Ibititá, sou apaixonado por música desde sempre. Sendo um diletante nas artes, sou mestre em Direitos Humanos pela Universidade de Brasília e doutorando em Direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde desenvolvo pesquisa sobre as transformações promovidas no direito e na política pelas lutas das pessoas transvestigeneres. Sobre a vida e a música, concordo com Milton Nascimento: "Há canções e há momentos/Em que a voz vem da raiz/Eu não sei se é quando triste/Ou se quando sou feliz/Eu só sei que há momento/Que se casa com canção/De fazer tal casamento/Vive a minha profissão".

FALA AÊ!

Tem a ver...

Close