ENTREVISTAEXCLUSIVARAP

Em “Pêndulo”, Menestrel transforma, mais uma vez, o impossível em acessível

“Acabou as férias das suas feridas”. É nesse tom que o Pêndulo, novo EP do Menestrel, vem pra pista. Produzido há quatro meses e lançado no dia 28 de junho, o pesadíssimo trampo do rapper brasiliense tem quatro faixas curtas, pra você ouvir, se impactar, falar ‘peraí, preciso ouvir de novo’, dar o replay e, depois de escutar algumas vezes, absorver a ideia.

Em entrevista exclusiva à Escuta Que é Bom, ele resumiu faixa por faixa, falou do projeto de forma geral e revelou umas novidades que tão vindo por aí.

menestrel
“Pêndulo” é o trabalho que vai reaproximar Menestrel dos públicos do trap e do boombap que se divergiam. Foto: Divulgação

Fazendo referência ao movimento do pêndulo (vai e volta, mas para sempre no mesmo lugar), Menestrel explica que o nome do EP simboliza a vida das pessoas, mesmo. “A gente fica triste, feliz, ama odeia, mas sempre volta a um ponto inerte, que é o estado de espírito que a gente se mantém no cotidiano. Eu sempre acredito que tudo termina bem, da forma que tem que terminar.”

Sobre o trabalho de forma geral, Menestrel quis mostrar a forma com que o tempo age e o que ele significa na vida de cada um, “Abordando o tempo em contrapartida do amor, do ego, da tristeza/saudade e da nossa ação perante o próximo.”

500 conto

O novo EP do Menestrel custou a ele cerca de R$ 500. “Eu vou conseguindo no braço, chamando amigos, ligando pras pessoas… Até mesmo o curta metragem feito com as quatro faixas em um vídeo só foi feito na raça. “o curta foi totalmente independente. A única coisa com a qual gastamos no filme inteiro foi locomoção, comida pra galera e alguns materiais pontuais, como fita crepe, corda, sei lá. A gente conseguiu fazer a parada sozinho, e isso é o que me dá mais orgulho. Por isso que a gente transforma impossível em acessível.”

Confere, então, esse faixa-a-faixa do EP, descrito pelo próprio Menestrel:

Sufocado

“Representa muito o que eu tava vivendo no início da produção do trabalho, que era aonde eu tava sendo sufocado por dois estilos musicais, o trap e o boombap, e os dois públicos entravam em divergência sobre meu trabalho, mas eu me sentia bem fazendo os dois. Por isso eu cito “sufocado, são e salvo, tô na posição favorecida.”

Iluminado

“É sobre como a gente pode iluminar as pessoas através da música, independente de raça, gênero, classe social… O ser de luz não é o ser que brilha, e sim o ser que ilumina.”. Menestrel

 

Solo de Jazz

“É sobre o que o que o amor significa dentro de um espaço de tempo. Eu conto sobre meu primeiro relacionamento, que rolou há muitos anos. É a única faixa que tem participação. Ela conta com o Rodrigo Zin, um amigo meu de Curitiba-PR no qual eu vejo muito talento. Tem muito tempo que eu quero adicionar ele num projeto meu e eu acho que ele tem a arte tão grandiosa a ponto dele ser a única participação de um projeto. A arte dele consegue suprir todas as lacunas de participações e adendos que eu pudesse colocar.”

Relicário 3

“É, literalmente, sobre tudo que eu tô vivendo nos últimos três anos, que é quando eu comecei a ter uma carreira ascendente, fazer shows e tudo mais. Ela conta sobre arrependimentos, objetivos, sonhos e pessoas que amo. É, de fato, um resumo sobre meus últimos três anos de vida.”

Relicário 3 é especial. Não podia não ser, dado o sucesso que Relicário teve. Especial e pesadíssima, diríamos. A passagem ‘Essa é a primeira vez que tô chorando e escrevendo. Com fone no quarto, a lágrima molha o teclado, e eu não vou secar até que essa raiva tenha passado’ demonstra isso.

“Quando eu escrevi Relicário 3, tava vivendo um momento muito difícil. Até por isso escrevi. Tava vivendo um momento muito pesado, bad, puto com a vida. E aí eu realmente tava chorando e escrevendo, meu teclado tava todo encharcado. Fui descrevendo em palavras cruas tudo que tava acontecendo na minha vida, todo resumo das coisas da minha cabeça, tudo. A música é bem nostálgica, e eu uso ela pra me motivar em todas as vezes que eu sinto vontade de parar. Desde que escrevi ela, ela tem significado um recado de autoajuda.”

O EP tem só uma participação — a do Rodrigo Zin. Como em todo projeto, Menestrel também pensou em colocar mais gente, mas não deu. Ele explica porquê. 

“Queria muito botar o L7NNON na faixa Iluninado, mas eu quis guardá-lo. L7NNON é um cara que eu quero fazer uma música com ele e já temos umas conversas sobre isso, mas como era um projeto curto. Eu quis dar ênfase para o que eu estava vivendo. Eu já tinha o Zin na Solo de Jazz e pensei ‘cara, como não quero reposicionar, não vou colocar duas faixas de participação seguida uma da outra, quero dar atenção ao meu trabalho e à obra que eu construí.’ A faixa ficaria até um pouco maior, e tudo mais… mas ele vai vir num próximo projeto.”

Solo de Jazz como música de trabalho

Menestrel já escolheu uma música para trabalhar por agora: Solo de Jazz. “Sinto que ela é a faixa menos carregada do projeto. Ela é pra você ouvir, dar uma pensada em casa e pá, é mais romântica, tipo pra você ouvir com sua gatinha, tá ligado. Eu gosto dessa pegada mais lo-fi. Como é a primeira faixa que eu trabalhei nesse estilo, eu queria saber como seria a repercussão. E por incrível que pareça, ela tem 100% de aprovação até então, só recebi elogios.”

04 – Save The Date

Uma das novidades que prometemos no começo do texto é a seguinte: dia 04 de agosto tem gravação de DVD do Menestrel em Brasília! O show vai acontecer no complexo Yurb e vai ter participações do Froid, da Cynthia Luz e do Luccas Carlos. Serão gravadas 10 faixas: oito sucessos e duas inéditas.

Pêndulo II em 2020

Menestrel revela que o Pêndulo é uma instiga pro que tá vindo, o Pêndulo II. O EP vai servir para reaproximar o público do rapper “Passei muito tempo ano passado me dedicando ao trap. Fiz o pêndulo pra eles entenderem que eu não parei e pra eles se excitarem sabendo que ta vindo o Relicário II em entre março e abril de 2020”, afirmou.

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry
1
Ver mais

Willian Matos

Jornalista. Natural de Brasília-DF. Toca samba e ouve música brasileira desde moleque. Escreve sobre rap e r&b na Escuta Que é Bom.

Um Comentário

FALA AÊ!

Tem a ver...

Close