ENTREVISTAEXCLUSIVAROCK

EXCLUSIVA: Jorge Cabeleira fala sobre novo álbum e o rock do Pernambuco

Sobre o 'Rock Rural': "Nunca moramos no campo, nosso rock é urbano"

No auge do manguebeat em Pernambuco surgia Jorge Cabeleira e o Dia em Que Seremos Todos Inúteis fazendo um rock setentista psicodélico puxado pro blues e misturado com o baião. Com 25 anos de carreira a banda trabalhou muito entre o álbum de estréia em 95 e o segundo Alugam-se Asas Para o Carnaval em 2001. Em 2013 retomaram a agenda de shows circulando pelo Brasil passando por importantes palcos como RecBeat em Recife/PE e em Natal/RN no Festival DoSol em 2014.

Três anos depois, entre o trabalho e os ensaios surge a necessidade de entrarem em estúdio novamente para a gravação de um disco, que vem carregado com quase 18 anos de experiência acumulada. O álbum III saiu em maio e foi gravado no Estúdio Casona no bairro de Candeias, em Jaboatão dos Guararapes. Incluindo a faixa Talismã de Alceu Valença e Geraldo Azevedo, interpretada em parceria com a banda Tagore.

Instigadas pela obra, que apesar de carregar muito das sonoridades clássicas da banda, é toda reinventada e moderna, conversamos com o vocalista Dirceu Melo, que não demorou em responder nossos e-mails.

– Jorge Cabeleira é uma banda que não pára. Como funciona a dinâmica de tempo e o intervalo entre os trabalhos? O que vocês fazem além?

O grupo se separou em 2002, pouco depois de ter lançado o segundo disco. Depois voltamos aos shows em 2013 com o lançamento de uma coletânea para comemorar 20 anos da banda. Desde então estamos nos apresentando e desenvolvendo as músicas novas que estão nesse novo disco.

Temos outras atividades além do trabalho com a banda, eu (Dirceu) produzo festivais de música e toco em outros bandas como a Deltas, Manga Rosa e Eta Carinae. Coelho é produtor musical e desenvolve seu trabalho solo de música eletrônica chamada GRASSMASS, e o Mesel trabalha com informática, analista de segurança.

– E o processo criativo e de composição do novo álbum, como foi?

Começamos a compor, gravar e produzir lá por novembro de 2017, nos alongamos por todo 2018 entrando nos finalmente depois do Carnaval. No início de maio finalmente entregamos o resultado final, pois decidimos de última hora incluir uma música que estava ficando de fora até então.

Nossa única condição quando decidimos fazer o disco foi de que ele teria de ser um disco “ FODA”, para isso não trabalhamos com nenhum tipo de pressão ou motivação, além da que o disco demoraria o tempo a ser feito necessário, a que atingíssemos um resultado. Que a gente pudesse nos orgulhar depois, assim como temos esse orgulho dos dois anteriores.

Muita coisa foi feita comigo apresentando, propondo uma letra e harmonia para que desenvolvêssemos o restante e o mesmo com Coelho mostrando uma ideia e estrutura pra gente desenvolver em cima. Também gravamos jams onde partes dos improvisos foram usados como espinha dorsal para estruturar uma música, tudo de forma bem fluida, trabalhando com o que se tinha de ideia na mão e no momento.

– Como é pra vocês essa parada de misturar rock e blues a ritmos nordestinos como o baião?E como é dar um tom psicodélico a esta sonoridade?

Essa fusão é o que marca nossa identidade como banda. Veio e sempre soou de forma natural para quem mora no Nordeste e desde o berço ouvia Luis Gonzaga, Jacson do pandeiro nas festas de São João. Como rockeiros inspirados nos grupos que gostamos como The Doors, Beatles, Stones, Hendrix e principalmente Led Zepellin. A psicodelia sempre foi uma característica forte no que ouvimos e produzimos. Começamos a misturar tudo isso lá pelo início dos anos 90 e deu liga quase que instantaneamente.

– Que história é essa de rock rural?

Não conheço … rs rs.. nunca moramos no campo, nosso rock é urbano, mas antenado às nossas raízes e tradições locais da região onde nascemos.

Resultado de imagem para jorge cabeleira

– E como vocês veem as mudanças geracionais no rock brasileiro?

Infelizmente acho que estamos passando por uma antessafra para o rock brasileiro, a maioria dos nomes novos e interessantes não estão trabalhando com esse estilo de forma explícita, embora sempre presente a atitude.

– O manguebeat ainda está entre nós?

Sim , enquanto estiverem na ativa bandas como a nossa, a Nação Zumbi, Mundo Livre S.A., Eddie, Cordel do Fogo Encantado e outras, o manguebeat segue vivo!

– Quem indicam que tem feito um trabalho nacional bacana?

Além das anteriores, Baiana System, Edgar, Céu, Djonga, o novo do Cordel … sempre tem coisas interessantes para ouvidos ansiosos em ouvir boa música, basta dar uma procuradinha.

 

ESCUTE AGORA MESMO!

FAIXA A FAIXA:

Por Dirceu e Coelho

Caminho Imaginário – Escolhemos essa para abrir o disco justamente porque mostramos muito de nossa identidade nessa música. Um riff de guitarra pesado na abertura, bem anos 70. Época pré-heavy metal inspirado em bandas como Led Zepellin e Deep Purple, seguindo para um groove de bateria e divisão rítmica do baião, passando por escalas árabes e alguns acordes, com notas abertas que permeiam toda a figura harmônica, tudo emoldurando uma letra bastante psicodélica, tratando-se do “Caminho Imaginário” que a mente faz quando se permite viajar “em torno da fogueira”.

 O homem no canto do bar – Essa foi a primeira música que escrevi quando decidi voltar a compor para a Jorge Cabeleira, a primeira que mostrei pra Coelho e Mesel na nossa primeira reunião de composição. Ela já nasceu bem formatada, numa levada bluseira para a primeira parte com direito a afinação aberta e slide de guitarra. Evoluindo para outras partes mais hard-rock melódico e funkeado que me lembra um pouco o  Red Hot Chilli Peppers. Finalizando com uma parte instrumental viajandona com acordes progressivos onde também inserimos uma escaleta para completar a harmonia junto das guitarras e do baixo line 6 de Coelho.

Doce Sombra – Essa é uma das músicas que foram formatadas com uma estrutura básica que saiu de jams no estúdio. Uma música mais leve com uma letra e atmosfera melancólicas, que mostram bastante de nossa admiração e influência pelo Radiohead, para mim, uma das minhas preferidas.

Talismã – Foi a música de “esquenta” para o disco. Lançada no final do ano passado. Uma releitura rock do clássico dos anos 70 do primeiro disco da carreira de Alceu Valença e Geraldo Azevedo, o “Quadrafônico”. A ideia de fazer uma releitura para ela nasceu de canjas com Tagore quando tocávamos ela no violão em duas vozes simultâneas e ficou tão bacana que decidimos fazer uma versão para ela. Na versão usamos referências psicodélicas como Neil Young e Tame Impala para chegarmos na pegada que desejávamos para a música.

Arábica – Essa música foi toda estruturada por Coelho em cima de uma escala harmônica árabe, como o próprio nome da música já diz. A divisão rítmica dela segue muito do trabalho de produção de música eletrônica que Coelho faz em seus projetos como o Grassmass. Com a adição de instrumentos como a viola “Dobro” em afinação nordestina e a “Baglama”, instrumento de cordas turco. Conseguimos chegar a uma sonoridade bem diferente de tudo que a banda já tinha feito antes. Montada essa estrutura da música, foi só deixar a imaginação correr solta para a letra, que é compacta, se encaixando cada palavra na música com uma preocupação mais rítmica de como a palavra soa do que propriamente do que a palavra diz.

Brilho – Essa música foi toda composta em uma jam que fizemos e gravamos a quase 3 anos, escrevendo uma letra inspirada em cânticos do “Santo Daime” e colocando na música na hora mesmo que estávamos fazendo, nem tínhamos a intenção de gravar outro disco nem nada, mas a música ficou tão bacana que ficou na manga para uma oportunidade e ela apareceu pro disco. Tem uma pegada bem Ledzepelliana na sua origem, aí em estúdio resolvemos fazer uma parte B para ela em Dub, outro estilo que curtimos muito também.

Mamaterial – Perto de metade do disco foi criada em jams de estúdio, e levadas depois pra UIVO (produtora de Coelho em São Paulo) pra editar e montar um esqueleto, que foi coberto nas viagens subsequentes a Recife. “Mamaterial” saiu de um riff meio stoner, e foi a última a entrar no álbum.

Sete quedas – Também surgiu de uma ideia durante as jams do começo do álbum, destinadas a criar mais músicas e completar o repertório. É um tema em 7/8 que reflete bem esse estilo meio mântrico/modal das composições de Coelho. Montamos os arranjos em volta, e ficou tão bom que decidimos que essa deveria ser só instrumental, na tradição do que fizemos no disco passado.

 

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Via
Favorite Produções
Fonte
SCREAM & YELL Diário de PernambucoJosé Teles
Ver mais

Felipe Qualquer

No rádio desde moleque pesquisa o universo da música e escuta de tudo. Em MG atuou nas emissoras Minas, Nova e 94FM. Em Brasília passou por Transamérica, Metrópoles, e MIX FM. Escreveu para a Revista ShowBar e Jornal O Popular. Produtor cultural desde 2010 com os festivais EcoMusic, Rua do Rock, Usina de Rima, Grito Rock e Festa Nacional da Cerveja. Estuda Artes e Audiovisual na UnB. Criador da ESCUTA QUE É BOM.

FALA AÊ!

Tem a ver...

Close